Você está em: Inicial > Resoluções > TODAS > Detalhes

  Inicial
  Resoluções
       Todas
       CUNI
       CEPE
       CODI/CONC
  Atas
       CEPE
       CUNI
       CONC
  Sobre
 
 Importante

Este sistema encontra-se desatualizado.

Para resoluções e atas de reuniões ocorridas após mês de agosto do ano de 2010 favor entrar em contato com a Secretária de Orgãos Colegiados através do email soc@reitoria.ufop.br ou do telefone (31) 3559-1212

Para ter acesso ao conteúdo das Resoluções e/ou Atas na íntegra, favor rolar a página até o fim e fazer o download da versão em "Word"."



Governo Brasileiro

Universidade Federal de Ouro Preto
RESOLUÇÃO CEPE Nº 4.041
Aprova o Projeto Pedagógico do curso de complementação pedagógica em Geografia.
O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Ouro Preto
, em sua reunião extraordinária, realizada em 27 de maio deste ano, no uso de suas atribuições legais, considerando:

Considerando o disposto no processo UFOP nº 3.280/2010.
Aprovar o Projeto Pedagógico
do curso de complementação pedagógica em Geografia, cujo documento fica fazendo parte integrante desta Resolução.
Ouro Preto, em 27 de maio de 2010.
Prof. João Luiz Martins
Presidente





UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
Centro de Educação Aberta e a Distância



CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO PEDAGÓGICA
EM GEOGRAFIA
PROJETO PEDAGÓGICO
OURO PRETO – MG
ABRIL/2010
UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP
REITOR
Professor João Luis Martins
VICE-REITOR
Professor Antenor Barbosa
DIRETOR DO CEAD
Prof. Dr. Jaime Antonio Sardi
COODENADORA DO PÓLO UAB/CEAD
Prof. Dra. Maria do Carmo Villa
COORDENADOR DO CURSO DE GEOGRAFIA
Prof.Ms. Maria Antonia Tavares de Oliveira Endo
EQUIPE GESTORA
MISSÃO
A UFOP, guiada por interesses sociais amplos e comprometida com o desenvolvimento de sua região de abrangência, tem a missão de produzir e difundir conhecimentos, articulando ensino, pesquisa e extensão, proporcionando uma formação profissional orientada por preceitos e valores técnico-científicos, éticos e humanísticos.
INFORMAÇÕES GERAIS
Centro de Educação Aberta e a Distância
COORDENAÇÃO DA UAB:
 Dra. Maria do Carmo Vila
COORDENAÇÃO DE CURSO:
Ms. Maria Antonia Tavares de Oliveira Endo
EQUIPE GESTORA:
CURSO PROPOSTO
Complementação Pedagógica para a área de Geografia a Distância
OBJETIVOS:
Ofertar curso de complementação dirigido a docentes em exercício na rede pública de educação, atendendo ao disposto do artigo 11 do decreto nº 6.755 de 29 de janeiro de 2009 através do “Sistema Universidade Aberta do Brasil-UAB” por meio do Centro de Educação Aberta e a Distância / Universidade Federal de Ouro Preto.
QUANTITATIVO DE VAGAS:
O curso de Complementação Pedagógica em Geografia, na modalidade a distancia, ofertará 160 vagas distribuídas em 4 pólos de apoio pedagógico (PAP) nos municípios Ipatinga, Itabira, João Monlevade e Lagamar, definidos por demanda conforme dados levantados e publicados pelo MEC e divulgados via Plataforma Freire do Ministério da Educação.
PÚBLICO-ALVO
Bacharéis em Geografia e História e professores habilitados em áreas afins à Geografia e que estão no exercício do magistério na disciplina. Todos os professores que atuam como regentes de turmas na educação básica sem habilitação específica e que tenham sido selecionados a partir de inscrição pela Plataforma Freire/MEC, atendendo aos requisitos para ingresso exigidos pelo CEAD/UFOP.
FORMA DE INGRESSO
O ingresso no curso é realizado dentro dos padrões da UFOP, através da abertura de edital indicando número de vagas para alunos e os Pólos de Apoio nas cidades, seguido de processo seletivo próprio (PIS) divulgado periodicamente pelo CEAD (www.cead.ufop.br
) e Pró-Reitoria de Graduação na página institucional da UFOP (www.ufop.br
).
No caso dos cursos oferecidos pelo PAR serão admitidos professores que atendam aos requisitos e inscritos na Plataforma Freire e submetidos a uma seleção previamente divulgada pela Universidade Federal de Ouro Preto.
PERFIL DO EGRESSO
Ao concluir o elenco de disciplinas do Curso de Complementação, o docente deverá demonstrar, de modo crítico e reflexivo, capacidade de promover a integração entre os saberes científicos da Geografia e a prática pedagógica inserida na realidade sócio-espacial e cultural. Espera-se, ainda, que o educador seja conhecedor das Diretrizes e dos Parâmetros Curriculares Nacionais que norteiam as formas de trabalho docente e a prática pedagógica cotidiana.
APRESENTAÇÃO
A Universidade Federal de Ouro Preto, por meio do Centro de Educação Aberta e a Distancia – CEAD, atendendo às ações do PAR – Plano de Ações Articuladas do Ministério de Educação e Cultura, propõe um curso na modalidade a distância para atender aos professores em exercício há pelo menos 3 anos na rede pública de educação básica e que não possuem licenciatura em Geografia.
O curso qualificará o profissional para o exercício da profissão docente conforme a resolução CNE/CP 21/2001 que institui e legitima a Licenciatura, ou seja, a autorização, permissão ou concessão dada por uma autoridade pública competente para o desempenho da atividade docente.
Pautados na legislação em vigor e nas demandas identificadas pelo MEC, propõe-se, através do Curso de Complementação Pedagógica em Geografia, habilitar um profissional com o aprimoramento de seus conhecimentos, conferindo-lhe a identidade de professor e educador. Tais ações, de suma importância social realizadas por Instituições Públicas de reconhecida tradição no ensino, pesquisa e extensão visam desenvolver habilidades e competências profissionais para o exercício na educação básica.
Ressalta-se a importância do presente projeto ao reforçar o compromisso com a formação profissional para o exercício da educação de qualidade, consolidando a função social das Instituições Superiores de Ensino Público.
I- Introdução

A Universidade Federal de Ouro Preto, representada pelo Centro de Educação Aberta e a Distância, apresenta proposta para oferta do curso Complementação Pedagógica para a área de Geografia na modalidade a distância, com carga horária de 1080 horas, aos pólos de Ipatinga, Itabira, João Monlevade e Lagamar. Tais municípios que, juntos somam mais de 400.000 habitantes, encontram-se isolados geograficamente dos demais municípios que oferecem o curso desta área do conhecimento na modalidade presencial no Estado de Minas Gerais e de sua capital Belo Horizonte da qual distam até mais de 500 km
.
A população desses municípios tem uma carência grande na oferta de cursos de nível superior público para qualificar e capacitar a mão-de-obra local, justificando-se, assim, a necessidade do curso de Complementação Pedagógica em Geografia visando capacitar professores que ministram aulas nas redes de ensino Municipal e Estadual.
No Estado de Minas Gerais, as Secretarias Municipais e Estadual de Educação apresentam em seus quadros de profissionais do magistério um número significativo de professores que ministram aulas no Ensino Fundamental e Médio que não possuem licenciatura em Geografia, conforme documento elaborado pela Secretaria Estadual de Educação/MG (SISUAB, 2009). Desta forma, o curso de Complementação Pedagógica em Geografia tem como propósito capacitar e qualificar estes profissionais.
Considerando que os docentes que formam o público alvo do curso em oferta já se encontram na regência do processo de ensino/aprendizagem para a área de Geografia pelo tempo exigido pela legislação, será ofertada uma estrutura curricular que contemple, principalmente, uma visão histórico-teórica da Geografia, uma visão geral do conteúdo da disciplina e procedimentos didático-pedagógicos coerentes com as especificidades da Ciência Geográfica.
II- Justificativa



Este curso oferece complementação pedagógica na área de Geografia visando contribuir para a formação de profissionais que atuam na docência de Geografia. Para tanto, enfatiza suas conexões interdisciplinares e foca a avaliação da ação antrópica e sua apropriação dos recursos naturais, os impactos que esta ação provoca, além de fornecer subsídios para a compreensão dos processos de construção do mundo através de referenciais teóricos de concepção crítica e, principalmente, participar do processo de educação integral do aluno.
Defende-se a oferta deste curso na modalidade à distância com base em alguns pontos:
- por entender que o professor-alvo desta proposta encontra alguns condicionantes que limitam ou dificultam a sua formação acadêmica, tais como o deslocamento até as Universidades em função dos distanciamentos geográficos;
- a carência de cursos de Geografia no Estado que contemplem a demanda de formação deste profissional docente para as Instituições de ensino que oferecem a Educação Básica.
- em função do público a que se destina a expectativa de ser desenvolvido na modalidade a distância, sem a necessidade fundamental de que o contato professor-aluno ou aluno-aluno aconteça de forma presencial, não acarretará prejuízo da qualidade da sua formação, uma vez que o professor já atua na área, o que torna o seu conteúdo familiar, carecendo principalmente do referencial teórico e metodológico específicos desta área do conhecimento.
Com base nos pontos aqui levantados, a formação complementar foi organizada em três módulos de duração semestral, segundo estrutura curricular apresentada neste documento.


Objetivo Geral
Habilitar os professores em exercício na educação básica das redes oficiais de ensino por meio de Complementação Pedagógica de forma competente e comprometida com uma visão crítica e inovadora, incluindo domínio do conhecimento específico e a reflexão sobre a própria prática em função dos princípios e fundamentos da Geografia.
Objetivos Específicos
- habilitar os estudantes para atuarem como professores de Geografia, fundamentando-se teoricamente em uma visão teórica histórica, social, filosófica, política, cultural e econômica;
- possibilitar aos estudantes a aprendizagem e a construção dos seus conhecimentos e habilidades de forma interdisciplinar e colaborativa, fundamentados na prática da pesquisa, nos estudos teóricos e experimentações práticas;
- formar um corpo docente capaz de devolver nos alunos a compreensão das questões que envolvem a Geografia de um modo geral, visando mudanças no quadro social,
-
capacitar o docente para a utilização das mídias e das novas tecnologias como meios no processo de ensino e aprendizagem de forma crítica e contextualizada.
 Estrutura Curricular
-Para atender a esta proposta, sugere-se um Curso com duração de três módulos semestrais, com carga horária de 360 horas, estruturados em três eixos temáticos e compostos por temas afins em cada módulo.
MÓDULO I
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO E A CIÊNCIA
Este módulo introdutório apresenta como se desenvolveu a construção da teoria geográfica, as correntes filosóficas que deram suporte a diferentes tendências do pensamento científico nesta área, dispostas cronologicamente de modo a se perceber a origem e evolução do conhecimento geográfico pautadas em um contexto histórico, político e social.
MÓDULO 2
 NATUREZA E SOCIEDADE: O ESPAÇO GEOGRÁFICO
Este eixo temático tem por objetivo dar suporte teórico sobre os principais conteúdos do quadro físico-natural da Terra e as respectivas inter-relações da ação humana na construção do espaço geográfico.
MÓDULO 3
GEOGRAFIA E PRÁTICA ESCOLAR / FORMAÇÃO DO EDUCADOR
Este módulo propõe o aprimoramento dos conhecimentos específicos sobre a prática pedagógica no ensino da Geografia, composto por um conjunto de informações e habilidades numa pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos nesta área do conhecimento buscando dar uma unidade aos três módulos.


MÓDULO 1

EIXO

DISCIPLINA

C-H

CR

A Evolução do Pensamento Geográfico e a Ciência

Evolução do Pensamento Geográfico e as
 diferentes correntes teóricas da Geografia

120

8

As Tendências Metodológicas de Ensino e as teorias de aprendizagem em Geografia

120

8

Fundamentos da Educação a Distância

60

4

Estágio Supervisionado I

60

4

SUBTOTAL

360

24

MÓDULO 2

EIXO

DISCIPLINA

C-H

CR

Natureza e Sociedade: O Espaço Geográfico.

Fundamentos de Geologia e Domínios
 Morfoclimáticos da Terra

90

6

Climatologia e Alterações Ambientais

90

6

Dinâmica Demográfica

60

4

Pesquisa e Prática Pedagógica

60

4

Estágio Supervisionado II

60

4

SUBTOTAL

360

24

MÓDULO 3

EIXO

DISCIPLINAS

C-H

CR

A Geografia, a Prática Escolar e a Formação do Educador.

Didática de Ensino de Geografia

90

6

Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental e Médio

90

6

As mídias e o ensino da Geografia

60

4

Estudos Regionais

60

4

Estágio Supervisionado II

60

4

SUBTOTAL

 360

 24

Nota
: o que se sugere em cada módulo são temas e não disciplinas.
Paralelamente ao desenvolvimento do conteúdo proposto, os alunos serão orientados a fazer o relatório das observações de estágio, as quais comporão o trabalho de conclusão do curso.
Ementas
Evolução do Pensamento Geográfico e as Correntes Teóricas da Geografia
A trajetória do conhecimento geográfico. A sistematização da Geografia como campo de conhecimento. As diferenciações metodológicas e conceituais nas distintas Escolas Geográficas. A Geografia na contemporaneidade.
Tendências Metodológicas de ensino da Geografia e as Teorias de Aprendizagem e a Geografia.
O estudo dos conceitos Geográficos; métodos e técnicas da Ciência Geográfica.; exercitar a prática inerente aos conceitos geográficos a partir dos novos paradigmas do ensino e aprendizagem da Geografia; estudar a evolução e desenvolvimento dos métodos e técnicas utilizadas pela Geografia.
Fundamentos da Educação a Distancia
Contextualização do estudo da Geografia através da utilização das tecnologias digitais adaptadas aos modelos pedagógicos de ensino a distancia. Despertar no aluno a consciência dos estudos colaborativos em ambiente virtual sob a orientação de tutores presenciais e a distância compreendida como um processo de auto-aprendizagem. Conhecimento das possibilidades de funcionamento e aprendizagem via Plataforma Moodle.
Estágio Supervisionado I
Estudo do processo ensino-aprendizagem relativo ao exercício da prática docente no Ensino Fundamental e Médio. Planejamento, instrumentação e execução do Estágio Supervisionado no Ensino de Geografia.

Fundamentos de Geologia e Domínios Morfoclimáticos da Terra
Estudo da origem e formação da Terra. Dinâmica Interna e movimentação das Placas Tectônicas e suas repercussões. Sistemas morfogenéticos, morfoestruturais e morfodinâmicos responsáveis pela esculturação e pela dinâmica do modelado terrestre
Climatologia e Alterações Ambientais
Estudo da Atmosfera e das alterações ambientais na superfície da Terra em função dos aspectos climáticos e da interferência antrópica. Políticas e relações internacionais relacionadas a alterações climáticas e sustentabilidade.
Dinâmica Demográfica
Teoria da caracterização demográfica e geografia da população, estruturação da população no espaço geográfico. Abordagens contemporâneas dos estudos sobre população. Mobilidade populacional.
Pesquisa e Prática Pedagógica
Conhecer as metodologias de pesquisa;.formas de apropriação e levantamento de informações na ciência geográfica. Utilização de técnicas que atendam às especificidades da Geografia; desenvolver um estudo de caso aplicando as técnicas geográficas
Estágio Supervisionado II
Observar e registrar a rotina de funcionamento escolar na educação básica buscando informações com diretores, administrativos, pedagogos. Observação da atividade docente em sala de aula Análise da proposta curricular em função do planejamento anual.
Didática de Ensino de Geografia
Análise e avaliação crítica dos elementos teórico-metodológicos do processo de reconstrução do saber didático e do processo de ensino em Geografia. Análise do planejamento e da avaliação no ensino e aprendizagem. Concepções e procedimentos da avaliação. Papel do professor: interação, mediação e interdisciplinaridade; produção e uso do material didático.
Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental e Médio
Visão histórica da educação na estrutura sócio-político-econômica e sua função ideológica. Sistema de ensino e sistema educacional brasileiros. Desenvolvimento das políticas sociais, de educação e as grandes reformas do ensino. Estrutura do sistema escolar. Estrutura administrativa da educação. Estrutura técnico-pedagógica da rede de ensino na educação básica. Funções sociais da escola. Formação do educador.
As Mídias e o Ensino da Geografia
Conhecer as possibilidades de aplicação e utilização das diferentes mídias no processo de ensino e aprendizagem de Geografia. Desenvolver técnicas de interação crítico-educativo e inserção no mundo através da utilização de recursos midiáticos.
Estudos Regionais
Estudo do processo de construção do conceito e critérios de regionalização, sua identificação e reconhecimento no espaço mundial. Região e o meio técnico científico informacional. Instrumental metodológico de interpretação da região.
Estágio Supervisionado III
Acompanhamento dos procedimentos didáticos e pedagógicos do estagiário em sala de aula da educação básica buscando avaliar a interação teoria e prática do futuro educador.
METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DO CURSO
Para o desenvolvimento do Curso de Licenciatura Complementar em Geografia, adota-se uma concepção de ensino e aprendizagem denominada de construtivismo cujas bases estão relacionadas às teorias de Piaget e Vygotsky. A partir do construtivismo percebemos que a aprendizagem pode se iniciar através de uma dificuldade ou problema e, ao mesmo tempo, pela necessidade de resolvê-lo. O aluno, ao perceber esses problemas, começa um movimento constante de busca e de possíveis soluções. Dessa forma, na concepção construtivista, é primordial que os alunos desenvolvam a capacidade de ação/reflexão de suas proposições mentalizadas e que não reduza a atividade didático-pedagógica em um repertório com respostas aprendidas.
No Construtivismo, o aprendiz supera a situação como um receptor passivo e, numa nova postura de buscas constantes, participa ativamente, refletindo e construindo o seu conhecimento a partir da interação com o outro e com os mais variados objetos e possibilidades de conhecimentos.
A mediação pedagógica é imprescindível no processo de ensino e aprendizagem. Quando apoiada em diferentes recursos tecnológicos, o sucesso da aprendizagem é mais satisfatório. Na Educação a Distância, apoiada em teorias pedagógicas, como o construtivismo, o conhecimento é construído a partir da interação de múltiplas experiências individuais e coletivas realizadas por meio de ferramentas que viabilizam a interação do aluno com o grupo de alunos/professor/Tutores.
Na modalidade de educação a distância, o aluno tem a possibilidade de interagir com o assunto focalizado, os quais possibilitam observar, analisar, levantar hipóteses e aplicar estratégias, que permitam confirmar ou não as possíveis hipóteses levantadas. Desta forma, a partir do encadeamento de idéias e inferências realizadas, maior será a capacidade do aluno para comparar, contrastar, verificar e tirar conclusões.
O aluno, através da aprendizagem colaborativa, tem potencial para agir ativamente na construção de seu conhecimento; não sendo apenas um receptor de informações, e sim, um aprendiz que processa e as transforma em conhecimentos. Portanto
, alguém com capacidade para indagar, criticar e buscar respostas constantes aos diversos questionamentos e proposições que lhe são levantados. Nesta perspectiva, o professor deve constantemente instigá-lo, desafiando, mobilizando, questionando e utilizando os “erros” de forma construtiva, garantindo assim uma reelaboração das hipóteses levantadas.
De acordo com estes princípios, o ambiente de aprendizagem deve propiciar a interação entre professor-aluno-tutor e aluno-aluno de forma ativa, crítica e participativa.
Com base nas informações levantadas, a concepção construtivista poderá melhor adequar-se à consecução deste Curso de Complementação Pedagógica, uma vez que exerce atribuições que requerem, constantemente, a busca de indagações, da construção de opiniões e da elaboração de pesquisas.
Assim, o aluno do ensino a distância, apoiado pelo tutor, seguirá seu próprio ritmo próprio e entenderá que se aprende fazendo. Esta concepção em articulação com os recursos das tecnologias permite o desenvolvimento Pedagógico com propósito de:
• Incentivar a cooperação para vencer os desafios do hoje e do amanhã;
• Incentivar a autonomia e autoria como metas a serem alcançadas;
• Proporcionar Grupos cooperativos como estratégia didática;
• Adotar uma perspectiva construcionista, com ênfase na produtividade do aluno, no aproveitamento de seu conhecimento anterior e na troca de experiências como elemento dinamizador da aprendizagem;
• Promover a interação entre as pessoas, em ambiente virtual;
• Propiciar a troca de experiências entre os integrantes do curso;
Cada aluno, além das comunicações virtuais, estará vinculado a um Pólo de Apoio Presencial – espaço para encontros com especialistas, monitores, tutores e colegas. Neste mesmo PAP o aluno fará periodicamente avaliações, conforme o calendário específico do seu curso.
O presente curso, na modalidade a distancia conta na UAB/CEAD/UFOP com uma estrutura presente e nos pólos que assegura o processo de ensino e aprendizagem, como exposto a seguir.
Coordenador
Entre as atribuições do coordenador de curso destaca-se a apresentação da proposta curricular para os docentes do curso e a supervisão dos trabalhos desenvolvidos pelos mesmos, tais como:
- elaboração do Plano de Curso
- avaliação do desenvolvimento do curso
- representar o curso nas reuniões administrativas
- zelar pelo cumprimento das normas legais da instituição
- acompanha e avalia o desempenho pedagógico e funcional dos PAP
- assegurar os recursos necessários para o bom desempenho das atividades
- acompanhar o cumprimento do calendário acadêmico e registro de notas
Professor
Referente ao quadro docente do presente curso cabe ao professor :
a) selecionar e preparar o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas;
b) identificar os objetivos referentes a competências cognitivas, habilidades e atitudes;
c) montagem da disciplina na Plataforma Moodle em consonância com o projeto pedagógico;
e) elaborar o material didático para ensino a distância: textos, wikis, fóruns, vídeos, entre outros;
d) preparar videoconferências e webconferências,
e) verificar o registro de notas e o respectivo lançamento no sistema UFOP.
Tutor a distância
-
atuar na mediação do processo pedagógico na interface estudante/recursos tecnológicos;
- esclarecimento de dúvidas através fóruns de discussão via Internet, skipe, telefone e participação em videoconferências, webconferências, entre outros,
- proceder à correção das atividades avaliativas de ensino-aprendizagem, sob orientação dos docentes;
Tutor presencial
-
atender os estudantes nos pólos, em horários preestabelecido;
- auxiliar os estudantes no desenvolvimento de suas atividades individuais e em grupo,
- estimular o hábito da pesquisa, esclarecendo dúvidas em relação a conteúdos específicos, bem como ao uso das tecnologias disponíveis.
- aplicar as avaliações presenciais e dirigir a apresentação de trabalhos práticos;
- manter-se em permanente comunicação com os estudantes e com a equipe pedagógica do curso.
No tocante às funções atribuídas aos tutores ressalta-se que o domínio do conteúdo é imprescindível, tanto para o tutor presencial quanto para o tutor a distância. Esta condição fundamental deve estar aliada a características de dinamismo, visão crítica e global, capacidade para estimular a busca de conhecimento e habilidade com as novas tecnologias de comunicação e informação.
Coordenador de tutores
- mediar os procedimentos pedagógicos entre os tutores e professores;
- supervisionar o cumprimento dos prazos estabelecidos pelo sistema e pelo calendário;
- dar suporte teórico e pedagógico ao tutor;
- dar suporte ao coordenador de pólo;
- controlar o cumprimento da carga horária semanal do tutor a distancia;
Coordenador de pólo (PAP)
 
Principal responsável pelo bom funcionamento dos processos administrativos e pedagógicos que se desenvolvem na unidade, este coordenador tem como função:
- conhecer o projeto pedagógico do curso oferecido em sua unidade;
- estar atento para os calendários,
- criar condições para o bom desempenho das atividades de tutoria presencial,
- zelar pelos equipamentos a serem utilizados, sua disponibilidade e condições de uso,
- assegurar a infra-estrutura para a viabilização das atividades.
Na modalidade a distancia , o processo de ensino e aprendizagem apóia-se em uma estrutura


Avaliação
O sistema de avaliação proposto visa contemplar a apropriação do conhecimento e construção de projetos de pesquisa em uma linha identificada com a pesquisa em educação aplicada à sala de aula. Os instrumentos adequados a esta forma de avaliar podem ser: grupos de estudo, seminários, elaboração de resenhas, debates, utilização de recursos de diferentes mídias, avaliações presenciais, além dos recursos disponíveis na Plataforma Moodle quais sejam: fórum, chat e wiki.
Para cada disciplina do curso corresponderão atividades específicas propostas na Plataforma Moodle pelos professores/especialistas, acompanhadas e corrigidas pelos Tutores Presenciais e a Distância, segundo critério do professor. Essas atividades deverão ser entregues nas datas apontadas no calendário do curso perviamente divulgado, via Plataforma.
Necessidades do Curso
Para o funcionamento do curso em caráter emergencial, faz-se necessária a contratação de, no mínimo dois docentes com formação específica na área de conhecimento. Tal necessidade se justifica para a garantia do bom funcionamento do curso, continuidade dos trabalhos de Geografia em outros cursos do CEAD, pela unidade teórica e temática da linha de trabalho defendida neste projeto.
CORPO DOCENTE
Dra. Adivane Terezinha Costa
٭Graduação: Engenharia Geológica – 1998.
Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP.
٭Mestrado - 2001 Geologia Ambiental e Conservação de Recursos Naturais Escola de Minas Depto de Geologia/UFOP
٭Doutorado - 2007 Geologia Ambiental e Conservação de Recursos Naturais Escola de Minas – Depto de Geologia/UFOP
André Felipe Pinto Duarte
٭Graduação - 1996
Filosofia
Universidade Federal de Minas Gerais
٭Mestrado - 2001 Ciências da Informação Universidade Federal de Minas Gerais
Carlos Alberto Dainese
Graduação - 1987
Ciência da Computação . Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.
Mestrado - 1991
Ciência da Computação Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.
Doutorado (em andamento)
Educação -Currículo. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil.
Edison Tazava
٭Graduação - 1994
Engenharia Geológica
Universidade Federal de Ouro Preto
٭Mestrado
Evolução Crustal e Recursos Naturais
Escola de Minas – Degeo - UFOP
Doutorado (trancado em 2008)
Mineralogia e Geoquímica
Universidade Nacional de Brasília
Elizabeth Antonini
Graduação – 1984
Ciências Biológicas –
Faculdades Metodistas Integradas Isabela Hendrix, FAMIH, Brasil.
Mestrado em Educação - 1988
Psicologia da Educação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil.
Jacks Richard de Paulo
٭Graduação – 1996
Bacharel Licenciado em Geografia
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/Minas
٭Especialização
Geografia / Tratamento da Informação Espacial – 1997
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/Minas
٭Especialização em Educação – Tutoria em Educação a Distancia - 2010 Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP
٭Mestrado – 2004
Ciências Naturais
Escola de Minas – Degeo – UFOP
٭Doutorado em Andamento em Educação
Formação de Professores para ensino de Geografia
Universidade Metodista de Piracicaba
Dra. Mariângela Garcia Praça Leite
٭Graduação – Geologia, 1987
Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.
٭Mestrado – 1990
Petrologia Sedimentar, Sedimentologia
Escola de Minas–Depto. Geologia/UFOP
٭Doutorado – 2001.
Engenharia Civil
Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFOP
Maria Antonia Tavares de Oliveira Endo
٭Graduação - 1973
Geografia
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP
٭Especialização - 1995
Geografia Humana
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
٭Especialização em Educação - 2010
Tutoria em Educação a Distância
Universidade Federal de Ouro Preto
٭Mestrado em Pedagogia Profissional - 2002
Geografia e Meio Ambiente
UFOP/ ISPETP / CEFET – OP
Dra. Maria do Carmo Vila
Graduação – 1969
Matemática
Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé, UNIFEG, Brasil
Mestrado – 1982
Ensino de Ciências e Matemática . Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Doutorado – 1992
Doutorado em Didática da Matemática . Universite Laval, U.L., Canadá.
Dr. Messias Gilmar de Menezes
٭Graduação – 1978
Engenharia Geológica
Escola de Minas – Depto. Geologia/UFOP
٭Mestrado – 1988
Geologia
Universidade Nacional de Brasília - UNB
٭Doutorado – 2005
Ensino e História em Ciências da Terra.
Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
Dra. Sandra Augusta de Melo
Graduação - 1986
Psicologia . Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Brasil.
Mestrado – 1994
Psicologia Pontifícia Universidade Católica de Campinas, PUC Campinas, Brasil.
Doutorado - 1999
Psicologia Pontifícia Universidade Católica de Campinas, PUC Campinas, Brasil.
Dra. Tânia Rossi Garbin
Graduação 1985
Formação de Psicólogo . Universidade Metodista de Piracicaba, UNIMEP, Brasil.
Graduação 1986
Licenciatura em Psicologia
Universidade Metodista de Piracicaba.
Mestrado - 1994
Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) (Conceito CAPES 5) . Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.
Doutorado - 2008
Educação - Currículo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil.
Bibliografia por disciplina
EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO E AS DIFERENTES CORRENTES TEÓRICAS DA GEOGRAFIA
Bibliografia Básica:
1. ANDERY, Maria Amália, MICHELETTO, Nilza e outras. Para compreender a Ciência
. Rio de Janeiro:Espaço Tempo/PUC-SP.1988.
2. CLAVAL, Paul. As abordagens da Geografia Cultural
, In: Explorações geográficas.
3. HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem
. RJ: Guanabara,1986
4. LENCIONE, Sandra. Região e Geografia
. São Paulo: editora da USP. 1999
5. MORAES, A.C.Robert. Geografia: Pequena História Crítica
. SP: Annablume. 2005.
6. SANTOS, Milton. Por uma Geografia nova.
São Paulo: HUCITEC, 1990
7. SODRÉ, Nelson Werneck. Introdução à Geografia
. Petrópolis: Vozes, 1977.
Bibliografia Complementar:
1. CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias Geográficas
. RJ: Bertrand Brasil, 1997.
2. BLACHE, V. Princípios de geografia humana
. Lisboa: Cosmos 1956.
3. HARTSHORNE, Richard. Propósito e natureza da Geografia
. SP: HUCITEC- Edusp-Se. 1979.
4. MOREIRA, Rui. Geografia teoria e crítica
. Petrópolis: Vozes, 1982.
AS TENDÊNCIAS METODOLÓGICAS DE ENSINO E AS TEORIAS DE APRENDIZAGEM NA GEOGRAFIA
Bibliografia Básica:
1.PESTALOZZI, J.H. Antologia de Pestalozzi
. Trad. Lorenzo Luzuriaga. Buenos Aires: Losada, 1946.
2.LIBÂNEO, J. C. Didática
. São Paulo: Cortez, 1991. PROENÇA, A. F. Como se ensina geographia
. São Paulo: Melhoramentos, [19--]. v.7.
3.ROUSSEAU, J.-J. Emílio
. Trad. Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
4.GOULART, Íris Barbosa. Piaget: experiências básicas para utilização pelo professor. 11. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1996.
5.SALVADOR, César Coll. Psicologia da Educação
. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
6.____________. Psicologia do Ensino
. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO À DISTÂNICA
1.ALMEIDA, Rosângela D. & PASSINI, Elza Y.
O espaço geográfico: ensino e representação
. S. Paulo, Contexto, 1989. (col. Repensando o Ensino)
2.BARROS, Ivônio N.
Utilização da educação à distância no Brasil
. In: Escola & Vídeo. Rio de Janeiro, Fundação Roberto Marinho, 10 de setembro de 1994. (pp. 35 a 37)
3.DEMO, Pedro.
Desafios Modernos da Educação
. 3.• ed. Petrópolis/RJ, Ed. Vozes, 1995.
4.GALBREATH, Jeremy.
Multimedia in Education. Because Itís There? In: Tech Trends. Vol. 39, n. º 6: 17-20, Nov./Dec., 1994.
5.GUIA NETO, Walfrido S. dos Mares.
Educação para a Cidadania
. In: Comunicação & Educação. São Paulo, Ed. Moderna, 3:18 a 25, maio/agosto, 1995.
6.INCONTIR, Dora.
Multimídia na Educação. In: Comunicação & Educação. São Paulo, Ed. Moderna, 7:16 a 20, set./dez, 1996.
7.KEEGAN, Desmond.
Foundations of Distance Education
. 3rd.ed. New York

, Routledege, s/d.
8.KOZMA, R. B.
Learning with Media. In: Review Of Educational Research
. Summer, v. 61, 2:179-211, 1991.
9.LOBO, Francisco José da S.
A Educação à Distância na LDB e no Plano Decenal. Pontos para uma Reflexão.
In: Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, ABT, 118:07 a 09, maio/junho, 1994.
10.MENEGUETTE, Arlete A. C.
Educação Cartográfica e Exercício de Cidadania.
In: Anais do Simpósio Internacional sobre Novas Tecnologias Digitais em Geografia e Cartografia: Aplicações no Ensino e no Planejamento Ambiental (Geodigitalí 96). São Paulo, Depto. de Geografia/FFLCH/USP, novembro de 1996.
11.MONMONIER, Mark.
How to lie with maps
. Chicago, The University of Chicago
Press, 1991.
12.NOGUEIRA, Luís L.
Educação à distância. In: Comunicação & Educação. São. Paulo, ECA/USP/Ed. Moderna, (5):34-39, janeiro/abril, 1996.
13.NUNES, Ivônio B.
Noções de Educação à Distância
. In: Revista de Estudos, Informação e Debate. Brasília, INED/CEAD-UnB, (3): n.ºs 4 e 5, dez./93 abr./94
14.OBER, John.
Challenges in Teaching and Learning Multimedia
. In: FID News Bulletin 45, n. º 4: 116-20, April/1995.
15.PALACIOS, Marcos.
Educação na Internet
. In: Comunicação & Educação. São Paulo, Ed. Moderna, 6:29 a 34, maio/agosto, 1996.
16.PONTUSCHKA, Nídia N.
O perfil do professor e o ensino/aprendizagem em Cartografia
". In: Cadernos CEDES. Campinas/SP, Papirus, n.º 39, 1996. (Ensino de Geografia)
17.RIBEIRO, Darcy.
Os Desafios dos Sistemas de Ensino à Distância
. In: Educação à Distância. Brasília, INED/CEAD, vol. 3, 6:06 a 08, novembro de 1994.
18.ROBERTS, Judith M. & KEOUGHI, Erin M.
(ed.) Why the Information Highway

?

Lessons from Open & Distance Learning. Toronto, Trifolium Books Inc., s/d.
19.SALVAGNI, Ronaldo de B.
O sucesso passa pela Educação Continuada
. O Estado de São Paulo, 14/03/1996.
20.SOUSA, Maria de Fátima Guerra de.

Educação à Distância: Caminhos e Perspectivas na Construção da Cidadania. In: Educação à Distância. Brasília, INED/CEAD, vol. 3, 6:19 a 22, novembro de 1994.
21.TEODORO, João Cláudio.
A Importância da Educação à Distância. In: Educação à Distância. Brasília, INED/CEAD, vol. 3, 04/05:05 a 06, dez./abril, 1993/1994.
22.VESENTINI, José W.
O Ensino da Geografia no Século XXI.
S. Paulo, Ed. Ática, 1995 (texto fotocopiado) Associação Brasileira de Educação a Distância - ABED - Textos - E - Ensino a Distância de Cartografia p... Página 4 de 5 http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=163&sid=106&tpl=printerview 13/4/2007
23.WHITE Robert A. & Thomas Pradip.
(ed.) As Múltiplas Estratégias do Ensino à Distância In: Comunicação & Educação. São Paulo, Ed. Moderna, 4:58 a 67, set./dez, 1995.
24.WHITE Robert A. & Thomas Pradip.
(ed.) Ensino à Distância: Experiência e Inovações. In: Comunicação & Educação. São Paulo, Ed. Moderna, 3:47 a 56, maio/agosto, 1995.
25.WOOD, Denis.
The Power Of Maps
. New York
, The Guilford
Press, 1992.
ESTÁGIO SUPERVISIONADO I
Bibliografia Básica:
1. KAERCHER, Nestor André. Iconoclastia constante na (de) formação de professores de Geografia.
In:
DALLA ZEN, Maria I. H.; SOUZA, Nadia G. S. de. Práticas de ensino na UFRGS.
2. CAVALCANTI, Lana. Geografia e Práticas de Ensino
. Goiânia:Alternativa, 2002.
3. CARVALHO, Maria Inez. Fim de século
. A escola e a Geografia
. 2 ed. Ijuí: Unijuí, 2003.
4. PONTUSCHKA, Nídia N.; OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Geografia em Perspectiva. São Paulo
: Contexto, 2002.

Bibliografia Complementar:
1. CANDAU, Vara M. (org.) Reinventando a escola
. Petrópolis: Vozes, 2000.
2. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo
: questões atuais
. 2 ed. Campinas: Papirus, 2000.
FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DA TERRA
Bibliografia Básica:
1. BOLOS, M. de. Manual de Ciência del paisaje
. Barcelona

: Masson, S.A, 1992.
2. CHRISTOFOLLETTI. A. Geomorfologia
. São Paulo: Edgar Blucher. 1993.
3. DERRUAU, Max. Geomorfologia. Barcelona: Ed. Ariel, 1991.
4.
GUERRA, A. T. Dicionário geológico–geomorfológico
.
RJ: IBGE, 1966.
5. LEINZ, ,V. & LENOARDOS, G. H. Glossário geológico
.
São Paulo: CEN.
6. LOBECK, A. B. Geomofology
. New York

: McGraw-Hill, 1967.
7. PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia
. IBGE, 1993.
8. STEINER, F. The living Landscape, a ecological approach to landscape planning
.
Arizona-EUA: McGraw-Hill, Inc., 1991.
9. SUGUIO K. & BIGARELLA, J. J.

Ambientes Fluviais
.
Florianópolis: Ed. UFSC, 1990.
10. THORNBURY, W.D. Princípios de Geomorfologia
. Buenos Aires: Ed. Kapelusz, 1966.
11. TRICART, J. Géomorphologie applicable. Paris: Masson, 1978.
Bibliografia Complementar:
1. CASSETI, Valter. Ambiente e Apropriação do Relevo
.
São Paulo: Contexto, 1981.
2. CHRISTOFOLLETI, Antônio. Geomorfologia Fluvial
.
São Paulo: Edgard Blucher, 1981.
3. CUNHA, S. B.e GUERRA, A. J. T. Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações
. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.
4. CUNHA, S.B. & GUERRA, A.J.T. Geomorfologia do Brasil
.
RJ: Bertrand Brasil, 1998.
5. CUNHA, S.B. & GUERRA, A.J.T. Geomorfologia: uma atualização de bases
. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.
6. JATOBÁ, L. Geomorfologia.

Recife: Bagaço, 1991.
7. LABOURIAU-SALGADO, Maria Léa. História Ecológica da Terra
. São Paulo: Edgar Blucher, 1994.
8.
POPP, Henrique. Geologia Geral.

SP: Ed. Livro Técnico, 5ª edição, 1999.
9. TEIXEIRA, Wilson et al. (Org.). Decifrando a Terra
.
SP: Ed. USP, 2001.
CLIMATOLOGIA E ALTERAÇÕES AMBIENTAIS
Bibliografia Básica:
1. AYOADE, J. Introdução à climatologia para os trópicos
. São Paulo. Ed. Bertrand do Brasil, 1988 2ª edição.
2. DEMILLO, R. Como funciona o clima
. [tradução Túlio Camargo da Silva]. São Paulo: Quark Books, 1998.
3. MONTEIRO, C. A. de F. Teoria e clima urbano
. São Paulo: IGEOG/USP, 1976. (Série Teses e Monografia, 25).
4.
NIMER, E. Climatologia do Brasil
. Rio de janeiro. IBGE, 1979.
5. OLCINA, A. G. & CANTOS, J. O. Climatologia general
. Barcelona: Editora Ariel, 1997.
6. SANT’ANNA NETO, J. L. & ZAVATINI, J. A. (Orgs.) Variabilidade e mudanças climáticas: implicações ambientais e socioeconômicas
. Maringá: Eduem, 2000.
7. SANT’ANNA NETO, J. L. (Org.) Os climas das cidades brasileiras
. Presidente Prudente, 2002.
8. VAREJÃO-SILVA, M. A. Meteorologia e climatologia
. Brasília: INMET, Gráfica e Editora Pax, 2001.
9. CONTI, J. B. e FURLAN, S.A. Geoecologia, o clima, os solos e a biota
. In: Geografia do Brasil
(ROSS, J.L.S., org.). São Paulo, EDUSP, p.68-110, 1998.
10. CONTI, J. B. Clima e meio ambiente
. Atual Editora, São Paulo, 1998, 88 p.
11. STRAHLER, A. N.
Geografia Física
.
Barcelona, Omega, 1975.
12. TUBELIS, A. e NASCIMENTO, F. J. L.
Meteorologia Descritiva – fundamentos e aplicações brasileiras
.
NOBEL, São Paulo, 1983, 374 p.
13. VIANELLO, R.L. e ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações
. Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 1991, 449 p.
DINÂMICA DEMOGRÁFICA
Bibliografia Básica:
1. ALMEIDA, Fernando Lopes de; FERNANDES, Francisco R. Chaves (orgs.). Smith, Ricardo e Malthus. A Economia Clássica
. Rio de Janeiro: Forense- Universitária, 1978.
2. BECKER, Olga. Mobilidade espacial da população: conceitos, tipologia, contextos.
In: CASTRO, Iná Elias de et al. Explorações Geográfica
s
. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.
3. DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia
. São Paulo: Contexto, 1991.
4. DERRUAU, Max. Geografia Humana I. Lisboa: Editorial Presença, 1973.
5. GARNIER, Jacqueline Beaujeu. Geografia de População
.
São Paulo: Editora Nacional, 1980.
6. GEORGE, Pierre. Geografia da População
. Rio de Janeiro: Difel, 1981.
7. ROSSINI, Rosa Éster. A população brasileira
: trabalhar e sobreviver. In. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo: USP, 1994 No. 07.
8. SZMRECSÁNYI, Tamás (org. e trad.). MALTHUS, Thomas Robert, 1766- 1834. Economia
. São Paulo:Ática, 1982.
9. TORRES, Haroldo: COSTA, Heloisa (orgs.). População e meio ambiente. São Paulo:Editora SENAC/SP, 2000.
Bibliografia Complementar:
1. FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO. População residente nos núcleos urbanos do Nordeste (1970 – 1980). Recife: SUDENE, 1983.
2. MARTINE, George. A evolução espacial da população brasileira. In AFFONSO, Rui de B. A. & SILVA, Pedro L. B. (Org.) Desigualdades regionais desenvolvimento.
São Paulo: FUNDAJ/Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995 (Federalismo no Brasil)
3. MOREIRA, Rui. Ideologia e política dos estudos de população
. In O discurso do Avesso. (Para a crítica da Geografia que se ensina). Rio de Janeiro: Dois Pontos Editora, 1987.
4. REVISTA TRAVESSIA. Publicação do Centro de Estudos Migratórios.
5. ROSSINI, Rosa Éster. Brasil; Tendência atual da queda de fecundidade.
São Paulo: USP, 1985 (Mimeo)
6. RUA, João et al. Para ensinar geografia: contribuição para o trabalho com o 1o. e 2o. Graus. Rio de Janeiro: ACEESS Editora, 1993.
7. SALES, Teresa. O Brasil no contexto das recentes migrações internacionais. In LAVINAS, L.; CARLEIAL, L e NABUCO, M. Integração, Região e Regionalismo. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 1994.
PESQUISA E PRÁTICA PEDAGÓGICA
1. BASTIÉ, J. Algumas reflexões sobre a Pesquisa em Geografia Humana
. In
: Boletim Geografia

nº 234, Rio de Janeiro: IBGE; 1973.
2. BRANDÃO, Carlos Rodrigues. (Org.). Pesquisa Participante
. 8a edição. São Paulo: Brasiliense, 1990.
3. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A Metodologia Cien
tífica. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.
4. DELIO, Pedro. A Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1989.
5. ECO, Umberto. Como se faz uma tese
. 12a edição. São Paulo: Perspectiva, 1995.
6. GEORGE, Pierre. Tradução de Helogra de Lima Dantas. Os Métodos da Geografia. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1972.
7. GOMES, H. A

Pesquisa Geográfica
. In: Boletim Goiano de Geografia
. Goiânia, 1982.
8. HÜHNE, Leda Miranda. (Org.). Metodologia Científica
: Caderno de textos e Técnicas
. 5a edição. Rio de Janeiro: Agir, 1992.
9. LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico
. 4a edição. São Paulo: Atlas, 1997.
10. SETÚBAL, Aglair Alencar. Pesquisa no Serviço Social
: utopia e realidade.
São Paulo: Cortez, 1995.
11. SEVERINO, Antônio Joaquim. Fundamentos de Metodologia Cien
tífica
. São Paulo: Cortez, 1997.
12. THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação
. 4a edição. São Paulo: Cortez, 1989.
ESTÁGIO SUPERVISIONADO II
1.CALLAI, Helena C. A formação do profissional da Geografia
. Ijuí: Unijuí, 1999.
2. CAVALCANTI, Lana. Geografia e Práticas de Ensino
. Goiânia: Alternativa, 2002.
3. CARVALHO, Maria Inez. Fim de século
. A escola e a Geografia
. 2 ed. Ijuí: Unijuí, 2003.
4. KAERCHER, Nestor André. Iconoclastia constante na (de) formação de professores de Geografia
. In:
DALLA ZEN, Maria I. H.; SOUZA, Nadia G. S. de. Práticas de ensino na UFRGS.
5. PONTUSCHKA, Nídia N.; OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Geografia em Perspectiva. São Paulo
: Contexto, 2002.

Bibliografia Complementar:
1. CANDAU, Vara M. (org.) Reinventando a escola
. Petrópolis: Vozes, 2000.
2. MOREIRA, Antônio Flávio B. (org.). Currículo
: questões atuais. 2 ed. Campinas: Papirus, 2000.
DIDÁTICA DE ENSINO DE GEOGRAFIA
1.
ALMEIDA. Rosângela Doin de. A propósito da questão teórico-metodológica sobre o ensino de Geografia
. In: Terra Livre 8
, São Paulo: Marco Zero. 1996.
2.BARRETO, Elba Siqueira de Sá Tendências Recentes do Currículo do Ensino Fundamental no Brasil. 2000.
3.BARRETO, Elba S. S. (org.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras
. Campinas- SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, pág. 5-42.
4.CARLOS, Ana F. A. e OLIVEIRA, Ariovaldo U. de (orgs.) Reformas no mundo da educação – parâmetros curriculares e geografia. São Paulo: Ed. Contexto. 1999.
5.CARVALHO, Maria Inês. Fim de Século – A Escola e a Geografia
. Ijuí/RS: Editora UNIJUI. 1998.
6.CAVALCANTI, Lana de S.. Geografia, Escola e Construção de Conhecimentos. Papirus: Campinas-SP. 1998.
7.FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder
. Rio de Janeiro: Ed. Graal. 1989.
8.FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido
. Rio de Janeiro: ed. Paz e Terra. 1981
9.GEORGE, Pierre (s/d). Problemas, Doutrina e Método
.In George e outros.A Geografia Ativa.S.P:DIFEL,p.9-40.
10.HARTSHORNE, Richard. Propósitos e Natureza da Geografia. HUCITEC/EDUSP, São Paulo-SP. 1978.
11.LACOSTE, Yves. A Geografia – Isso Serve, Em Primeiro Lugar
, Para Fazer a Guerra.
Papirus Ed.: S.Paulo-SP.
12.MEIRIEU, Philippe). Aprender... sim, mas como? Artes Médicas: Porto Alegre-RS. 1998.
13.MORAES, Antônio Carlos Robert de Geografia e Ideologia nos Currículos do 1º grau. In Barreto, Elba S. S. (org.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas-SP: Autores
Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas. pág. 163-192, 2000.
14.MORATO, Edwiges Maria. Vigotski e a perspectiva enunciativa da relação entre linguagem, cognição e mundo social
. In: Educação e Sociedade
, N.71, São Paulo: CEDES, 2000.
15.MOREIRA, Ruy O Discurso do Avesso (para a crítica da Geografia que se ensina).
Dois Pontos: RJ, 1987.
16.NOVAK, Joseph D. e GOWIN, D. Bob Mapas conceptuais para a aprendizagem significativa
. In Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1999. pág. 30 a 70.
17.OLIVERIA, Ariovaldo U. De e PONTUSCHKA, Nídia N. Geografia em Perspectiva. S.P
: Ed. Contexto, 2002.

18.PAGANELLI, Tomoko Iyda. Reflexões Sobre Categorias, Conceitos e Conteúdos Geográficos: seleção e organização
.In Pontuschka, N. e Oliveira, A. Geografia em Perspectiva.S.P.:Contexto, 2002 p.149-157.
19.PARÂMETROS Curriculares Nacionais de Geografia – MEC (1997, 1999, 2000).
20.PERRENOUD, Philippe. Avaliação
. Porto Alegre: Ed. Artmed. 1999.
21.POZO, Juan Ignacio. A aprendizagem e o ensino de fatos e conceitos
. In COLL, C., POZO, J. I., 1998.
22.SARABIA, Bernabé e ENRIC, Valls. Os Conteúdos na Reforma – ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes
. P. Alegre: Artes Médicas, p. 17-71.
23.QUAINI, Massimo. Marxismo e Geografia
. Paz e Terra, Rio de Janeiro-RJ, 1979.
24.SANTOS, Milton. Por Uma Geografia Nova – Da crítica da Geografia a uma Geografia Crític
a. Ed. HUCITEC, São Paulo-SP, 1986.
25.SANTOS, Milton. TÉCNICA ESPAÇO TEMPO – Globalização e meio técnico-científicoinformacional. Ed. HUCITEC, São Paulo-SP, 1994.
26.SANTOS. Milton. Território e Sociedade: entrevista com M. Santos.
São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2000.
27.SNYDERS, Georges. Escola, classe e luta de classes
. Lisboa-Portugal: Moraes Editores, 1977.
28.VESENTINI, José W.. Geografia e Ensino – Textos Críticos
. Papirus, Campinas-SP, 1989.
29.VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente
. Martins Fontes, São Paulo-SP,1989.
30.VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Martins Fontes, São Paulo-SP, 1989.
31.WEISZ, Telma e Sanchez, Ana. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. SP: Ed. Ática, 2003.
21.LIVROS DIDÁTICOS diversos para os níveis fundamental e médio.
ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO
1.MENESES, João G. C. et. Al. Estrutura do Sistema Escolar Administrativa e Didática Básica
. In.: ____ Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. São Paulo: Thomson, 2002. 2.BREZEZINSKI, Iria. LDK interpretada:

Diversos Olhares se Entrecruzam. São Paulo: Cortez, 1997. 3.CARNEIRO, Moaci A. LDB fácil:

leitura crítico-compreensiva artigo a artigo.
4. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. 4.ALVES, Nilda; VILLARDI, Raquel. Múltiplas Leituras da Nova LDB:

Lei de Diretrizes e Bases d Educação Brasileira
(Lei 9394/96). Rio de Janeiro: Qualitymark/Dunya, 1997. 5.DEMO, Pedro. A nova LDB:

ranços e avanços
. 6. ed. São Paulo: Papirus, 1998. 6.GERMANO, José W. A Reforma do Ensino de 1° e 2° Graus
. In: ____ Estado Militar e Educação no Brasil (1964-1985). 2. ed. São Paulo: Cortez. (Cap III) LDB – Lei 9394/96. 7.FREITAG, Bárbara. Política Social e Educacional
. In: ____ Política Educacional e Industria Cultural.

2. ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, [s.d.], 88 p. 8.LIBÂNEO, José C. Organização e Gestão da escola:

teoria e prática. Goiânia: Ed. do autor, 2000. Complementar
:
1.CURY, Carlos R. J. Legislação educacional brasileira
.
Rio de Janeiro: DP&A, 2000. 2.
Constituição da República Federativa do Brasil. Texto Constitucional de 5/10/88. 3.Constituição do estado de Goiás promulgada em 05/10/89. 4.GADOTTI, Moacir. Uma só escola para todos

/ Caminhos da autonomia escolar. Petrópolis: Vozes, 1990. 5.HYPOLITO, Álvaro L. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero.
Campinas: Papirus, 1997. 6.Lei Orgânica do Município de Jataí promulgada em 05/04/90. 7.OLIVEIRA, Romualdo P. Política Educacional:

Impasses e Alternativas. São Paulo: Cortez, 1995. 8.MONLEVADE, João. Educação pública no Brasil:

contos e descontos
.
Ceilândia-DF: IDEIA. 1997.191p. 9.PARO, Vitor H. Gestão Democrática de Escola Pública
.
São Paulo: Ática, 1997.
AS MIDIAS E O ENSINO DA GEOGRAFIA
1.ESTABEL, L.B.; MORO, E.L.; DIAS, J.; CARNEIRO, M.L.F. As Novas Tecnologias da Informação e Comunicação e a Pesquisa Escolar

. Anais do VIII Workshop de Informática na Educação: XXII Congresso da SBC, 2002.
2.ESTABEL, L.B.; MORO, E.L. A Pesquisa Escolar Propiciando a Integração dos – Alunos, Educadores, Bibliotecários – Irradiando o Benefício Coletivo e a Cidadania em um Ambiente de Aprendizagem Mediado pelo Computador
. In: RENOTE, vol. 1, 2004. Disponível em: http: www.cinted.ufrgs.br/renote/mar2 004/artigos/03pesquisa_escolar.pdf. Último acesso em junho de 2007.
13.MORO, E.L.; ESTABEL, L. B .; TAROUCO, L. O Professor e os Alunos como Protagonistas na Educação Aberta e a Distância Mediada por Computador . In: Educar em Revista, Curitiba: Editora UF PR, 2003.
14.NEVES, I.C.B. Ler e Escrever: Compromisso de Todas as Áreas

. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
1.FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler
:
Em Três Artigos Que Se Completam . 24ª.
ed.; São Paulo: Cortez, 1990.
2.GUINCHAT, C.; MENOU, M. Introdução Geral às Ciências e Técnicas da Informação e Documentação
. 2ª ed.; Brasília: MCT/CNPq/ IBICT / Fundação Banco do Brasil, 1994.
3.LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D. A Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
4.MORO, E.L.S.; ESTABEL, L.B. A Interação Entre os Alunos, Educadores, Bibliotecários e a Pesquisa Escolar . In: Informática na Educação: Teoria e Prática, 2005. Disponível em: http://www.pgie.ufrgs.br/revista/. Último acesso em julho de 2007.
ESTUDOS REGIONAIS
1.ANDRADE, Manuel Correia – Espaço, Polarização e Desenvolvimento.
2. CASTRO, Iná Elias, GOMES, Paulo César C. e Corrêa, Roberto L. (Org.) – Geografia: Conceitos e Temas.
. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
3. CLAVAL, Paul – A Geografia Cultural, Florianópolis, Ed. da UFSC, 1999.
4. CLAVAL, Paul – As abordagens da Geografia Cultural.
In: CASTRO, Iná Elias et alli.(Org.) – Explorações geográficas. RJ: Bertrand Brasil, 1996.
5. --------. O Território e sua transição da pós-modernidade

in Geographia, Revista da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, UFF, ano 1. nº 2, 1999.
6. CORRÊA, Roberto Lobato – Região e Organização espacial
– S.Paulo, Ática, 1986.
7. CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço: um conceito chave na Geografia
. In: Geografia: conceitos e temas. 1995.
8. FREMONT, A. – A Região: Espaço Vivido.
Coimbra, Livraria Almedina, 1980.
9. GOMES; Paulo César Gomes. O conceito de região e sua discussão
. In: CASTRO, Iná Elias de, GOMES, Paulo César Gomes, CORRÊA, Roberto Lobato (Org.). Geografia conceitos e temas. RJ, Bertrand Brasil, 1995.
10.HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e identidade: a rede gaúcha no Nordeste. Niterói, Ed. UFF, 1997.
11._________. Território, cultura e des-territorialização
. In: ROSENDAHL,Zeny, CORRÊA, Roberto Lobato. Religião, identidade e território. RJ, Ed. UFRJ, 2001.
12._________. Territórios alternativos. Niterói, Ed. UFF; SP, Contexto, 2002.
13.HARVEY, David.
A condição pós-moderna
. S. Paulo: Edições Loyola, 1993.
14.HARVEY, David. A produção capitalista do espaço
. S.P.: Annablume, 2005.
15.KAYSER, Bernard – A região como objeto de estudo da Geografia
in Geografia Ativa, S.Paulo, difusão Européia do Livro, 1968.
16. LEITE, Maria Ângela, Faggin Pereira – Destruição ou Desconstrução?
Questões da paisagem e tendências de regionalização

, SP-HUCITEC,1994.
17.LENCIONI, Sandra. Região e geografia
. São Paulo, Edusp, 1999.
18.OLÍVIA, Jaime Tadeu. O espaço geográfico
. In: Paradigmas da
Geografia (Parte II). S Paulo, AGB, 2001. (Revista Terra Livre, nº 17, 2º sem/2001).
19.RAFFESTIN – Por uma Geografia do Poder
, São Paulo, Ática, 1993.
20. RATZEL, Friedrich – Le sol, la société et l’État
– l’Année Sociologique, 3ème année, 1898-1899, Paris.
21.RIBEIRO, Júlio César, GONÇALVES, Marcelino Andrade. Região: uma busca conceitual pelo viés da contextualização histórico-espacial da sociedade. In: Paradigmas da Geografia (Parte II). SP-AGB, 2001. (Revista Terra Livre, nº 17, 2º sem/2001).
22. RUFINO, Sônia M ª Castellar. O conceito de espaço: a contribuição da Geografia.
23. SANTOS, Milton – Espaço e Método
, São Paulo, Nobel, 1985.
24. SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado
, SP-HUCITEC,1988.
25. SANTOS, Milton – Por uma nova Geografia
, SP, HUCITEC, 1973.
26. SANTOS, Milton, SOUZA, Maria Adélia, SILVEIRA, Maria Laura. Território, globalização e fragmentação
.
4ª ed. São Paulo: Hucitec, 1998.
Bibliografia Complementar:
1. ANDRADE, M. C. O Nordeste e a questão regional
. 2.ed. SP, Ática, 1993. 70 p.
2. CLAVAL, Paul. La fabrication du Brésil

: une grande puissance en devenir. Paris
: Editions Belin, 2004.
3. FURTADO, Celso -
Formação Econômica do Brasil

– SP, Editora Nacional, 1979.
4. GEIGER, Pedro. As formas do espaço brasileiro
. RJ: Jorge Zahar Editor, 2003.
5. MENEZES, Djacir – O outro Nordeste:
ensaio sobre a evolução social e política do Nordeste da “civilização do couro e suas implicações históricas nos problemas gerais, Fortaleza

, Casa José de Alencar/ Programa Editorial, 1995
6. OLIVEIRA, Francisco – Elegia para uma re(li)gião
. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 19
7. PRADO JR., Caio – Formação do Brasil contemporâneo – Colônia
. S.Paulo: Brasiliense; Publifolha, 2000. (Grandes nomes do pensamento Brasileiro).
8. PRADO JR., Caio – História Econômica do Brasil
. S.Paulo: Ed Brasiliense, 1979.
9. SOUZA, Marcelo Lopes de. O desafio metropolitano. Um estudo sobre a problemática sócio-espacial nas metrópoles brasileiras
. RJ: Bertrand Brasil, 2000.
ESTAGIO SUPERVISIONADO
1.CAVALCANTI, Lana. Geografia e Práticas de Ensino. Goiânia: Alternativa, 2002.
2. CARVALHO, Maria Inez. Fim de século
. A escola e a Geografia. 2 ed. Ijuí: Unijuí, 2003.
3. KAERCHER, Nestor André. Iconoclastia constante na (de) formação de professores de Geografia. In:
DALLA ZEN, Maria I. H.; SOUZA, Nadia G. S. de. Práticas de ensino na UFRGS.
4. PONTUSCHKA, Nídia N.; OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. Geografia emPerspectiva
. São Paulo: Contexto, 2002.
Bibliografia Complementar:
1. CASTROGIVANNI, Antonio et all (Orgs.). Geografia em Sala de aula
. Porto Alegre: AGB, 1998.
2. CARLOS, Ana Fani, OLIVEIRA, Ariovaldo U. (Orgs.). Reformas no mundo da educação.
Parâmetros Curriculares e Geografia. São Paulo: Contexto, 1999.
3. CALLAI, Helena C. A formação do profissional da Geografia
. Ijuí: Unijuí, 1999.
4. CARVALHO, Maria Inez. Fim de século
. A escola e a Geografia. Ijuí: Unijuí, 1999.
5. CAVALCANTI, Lana de S. Geografia, Escola e construção deconhecimentos
. 5 ed. Campinas: Papirus, 2005.
Anexo

doc
 


  Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)